www.cic.unb.br/~rezende/sd.htm >
fragmentos >
Homenagem
2003

A Carlos Drummond de Andrade,
pelo uso de seus versos no artigo "No meio do caminho tinha uma Queda":

Permita-me, imortal Drummond, tomar-lhe emprestado mais um verso, pelo que pagarei com outros. Nunca me esquecerei deste acontecimento na vida de minhas retinas tão fatigadas.

Estátuas de Sal

14-dez-02

estatua de salestatua de sal

ESTÁTUAS DE SAL

Quarenta e um mil votos negativos.
Eis, nos bits, sinal de perigo
sobre o qual calastes.
De que números falastes?

Dos que contam a vontade
do povo, nos dizes. Mas
que, dos bits, só emergem
sob múltiplos véus.

Bits que vivem em custódia
Com os donos da paródia
No mundo eterno de Platão
Onde o saber acolhe ilusão

Ao genitor não é dado tocá-los
Auscultá-los, medi-los, contá-los.
Cercá-los daqueles cuidados
de pai e mãe, nos privam.

Assim, vestais e seus bits
Conspurcam-se nos telões.
Para o povo explicações
da aritmética, formatam.

Os que viram o pecado
E do sinal se calaram
Rendendo-se ao silêncio
dos adúlteros, trampeam.

E os que dele só viram rastro
Preferindo descrer do nefasto
Eis qu'ma flor ingênua colhem
Para o túmulo da cidadania.

Ao buscarem nossos filhos
Com as lentes da história
Em nosso tempo por nossa glória
O que terão, estátuas de sal?


anterior<    >seguinte